Hotel aconchegante e jukebox no Brejo :)

22:01

Eu sou apaixonada pelo Brejo paraibano, como já contei aqui e aqui. Areia é sem dúvidas uma das minhas cidades prediletas, Pilões tem a cachoeira do Ouricuri (que é lindona!) mas Bananeiras é uma fofura que não dá para ignorar! Ela não deixa a desejar quando o assunto é hospedagem, principalmente se for algo que lembre a proposta de hotel de charme (essa pegada de equipamentos turísticos que prezam por edificações históricas) e turismo rural. E a nossa hospedagem foi bem parecida com isso mesmo. :)


A ideia era bem simples: juntar um grupo de amigos e passar um fim de semana em um lugar legal, provando que há como fazer passeios divertidos sem precisar viajar para muuuuuito longe. Quem topou a ideia de cara foi Laisa Grisi e os guias-amigos-turismólogos Paulo Pedro e Gutenbergue Silva. Foi sintonia total! Me diverti o tempo todo e me senti tão acolhida, tão amada, feliz e empolgada por encontrar pessoas que tenham a mesma energia que eu (ligada na tomada o dia inteiro e faladeira & falafusa o tempo todo). Fiquei bem alucicrêyzi mesmo! Todas as vezes que fico entusiasmada com algo é assim, HAHAHAHA!


De malas prontas, seguimos para a nossa parada principal, a Estação Bananeiras. O lugar atende bem à proposta de fazer hotelaria prezando pelos detalhes. Foi uma experiência que mexeu com todos os nossos sentidos: o cheirinho doce do quarto, a temperatura quentinha da água do chuveiro e da banheira, a textura dos lençois branquinhos e do piso que imita madeira, a disposição dos itens do quarto, o colorido dos móveis rústicos... caramba, tudo isso faz você entrar numa atmosfera única.


É só fechar a porta do quarto e curtir um sono bom naquela cama enorme ou ficar preguiçando na rede que fica na varanda e adiós problemas! O prédio original foi construído em 1925 e funcionava como uma estação de trem (daí a origem do nome). Há cerca de um ano e meio o espaço foi totalmente reformado e recebeu uma estrutura que (se as minhas contas não estiverem erradas) abriga mais de 20 quartos, todos com um estilo padrão: cama de casal, banheira, frigobar e TV. Nem sei explicar aqui o quanto o lugar é aconchegante, gente. De verdade!


Vale dizer: até os itens de higiene pessoal que eles disponibilizam no banheiro são de boa qualidade, nada de sabonete que te deixa com a pele cinza ou xampu que nem faz espuma, a parada lá é chique. Hahaha! Funcionários atenciosos (mal entrávamos na piscina e já chegava roupão, toalha, garçom - Te amamos, Rafael! - cardápio, gente perguntando se a água estava aquecida, se a gente precisava de algo). Me senti madame geral, viu? Ahãm!

A dona do hotel é super presente e te pergunta o tempo inteiro se está tudo bem, ou seja, sensação de acolhimento total. As diárias custam em média R$ 350 e incluem o café-da-manhã, que é uma atração à parte.


O café é servido das 7h às 12h (sem pressa para acordar cedo! Descanse e levante só quando a fome bater mesmo) e com direito a pãozinho tipo australiano, geleia feita com amoras fresquinhas (nada daquelas que vem entupidas de açúcar), comida regional e sucos bem geladinhos. Tudo à vontade, aqui a expressão "café de hotel" é levada ao extremo! ;)


Por que amamos?
J-U-K-E-B-O-X! Minha gente, sabíamos que a proposta do hotel era oferecer uma áurea bucólica, de descanso e estávamos nessa pegada aí atééééé descobrir a verdadeira magia do lugar... o abençoado do jukebox! Hahahaha! O Estação Bananeiras simplesmente tem uma máquina maravilhosa onde os hóspedes podem escolher músicas à vontade. Isso fez toda a diferença pra gente e pentelhamos os garçons como nunca! De ABBA a Roberta Miranda, dançamos tudo o que tínhamos direito! De tarde e de noite ficamos por lá e não desgrudamos da máquina um minuto!


Quando chegamos lá, no sábado, estava chovendo bastante e eu estava triste achando que não ia entrar na piscina até queeeeee: é aquecida, querida. Deixa de ser matuta! Não contei conversa e fui entrando na água quentinha.


Eu e Laisa ficamos super à vontade. Eu dancei tanto, mas tanto, mas taaaaaaanto empolgada com o Jukebox que acabei levando uma queda bonita (com direito a todos os garçons rindo da minha pose). Caí durinha (de bunda!), derrubando a cerveja na piscina (se a gente observar direitinho até hoje Laisa cata essa garrafa perdida por lá) poréééém, caí sentada e lá mesmo fiquei de pernas cruzadas na piscina fazendo cara de paisagem... HAHAHAHAHA! Eu tenho que carimbar o selo #coidipobi onde chego, desculpa aê! Saldo: vergonha, "pataca" roxa na bunda e Laisa rindo até entalar. Deu bom!


À noite compramos um vinho, pedimos uma tábua de frios e voltamos à área da piscina. Ligamos o Jukebox mais uma vez (acho que deu pra sacar a nossa alegria com essa bênça, né?) e ficamos encantados com o aconchego do hotel: simplesmente o pessoal perguntou se estávamos com frio e do nada chegaram mantas quentinhas e super-super cheirosas a flores! Repito: esteja super aberto(a) aos cheiros e texturas, isso faz toda a diferença na hora de criar as memórias de uma viagem e foi o que mais fiz durante essa estadia relâmpago em Bananeiras.


Perfeito! Vinho, amigos, músicas (muitas!) e o quentinho de um lugar que mais parecia a casa de um amigo. Que noite linda! Estávamos tão animados e dançando no meio do nada que até o pessoal que trabalha no hotel veio pra perto e começou a dançar com a gente também, hahahaha! :) Quando estávamos indo embora a dona do hotel foi ainda mais gente boa e na hora de fazer o check out nos deixou à vontade para curtir o lugar até a tardinha.

O restaurante é aberto ao público
Caso você não queira ficar hospedado lá, sem bronca. O restaurante é aberto ao público e tem um cardápio super bacana, viu? Super indicaria para aquele passeio preguiçoso de domingo. Petiscos, cervejas, vinhos, fondue, pratos regionais... tudo isso tem por lá! Tem uma varandinha super fofa (justamente onde funcionava a estação de trem) e não tem nada mais gostoso do que ficar por lá vendo a cidade de cima.


Assim que eu e Laisa chegamos (era por volta das 12h40 do sábado) tratamos de experimentar as delicinhas de lá. Como estava com vontade de beber cerveja, fui de petisco (uma porção de pasteis sai a R$ 19,90) e ela foi de salada (R$ 29,90). Voltarei lá para experimentar mais pratos do cardápio, sem dúvidas! :D


SERVIÇO
Estação Bananeiras (Hotel e Restaurante)
Aproximadamente 60km de Campina Grande (PB)
Preço médio das diárias R$ 350,00
Preço médio do restaurante: R$ 7,00 (petiscos) a R$ 90,00 (pratos mais elaborados)
Café da manhã incluso, piscina aquecida, funcionários super prestativos
Reservas podem ser feitas pelo WhatsApp
Aceitam cartão de crédito e débito :)
Contato (83) 9-9121-1646 |  Instagram  |  Facebook 

 Isso NÃO é um publipost! Todas as despesas dessa viagem foram custeadas por nós ;)

Veja também

6 comentários

  1. Eita Ligia deu vontade de ir rsrsrs...

    ResponderExcluir
  2. Eita Ligia deu vontade de ir rsrsrs...

    ResponderExcluir
  3. Estive também na Estação, mas infelizmente, não me hospedei no Hotel. De qualquer maneira, o passeio em Bananeiras é uma experiência muito prazerosa e, se Deus quiser, pretendo retornar o mais breve possível.

    Fiquei em Areia que é bem próxima e também muito bonita.

    ResponderExcluir