São Paulo: eu gosto de tu :)

21:29

Eu lembro perfeitamente da sensação que eu tive quando pisei na Avenida Paulista pela primeira vez. Sabe quando você tem uma impressão péssima de uma pessoa e acaba sentindo vergonha por, depois de um tempo, acabar se apaixonando pelo jeito como ela fala, mexe no cabelo e sorri engraçado? Assim foi a minha relação com São Paulo. :) Era 2012 quando entrei pela primeira vez num avião (#matutinha) e estava morrendo de medo mas ao mesmo tempo super pensativa, achando que a cidade ia ser chatona, ia me dar a sensação de solidão.

Viajava só pra ver o Lollapalooza e pensava que fora essa programação, todo o resto ia ser um tédio. Não sabia eu que tédio mesmo era cheirar suvacos vendo um show de Foo Fighters e esperando horas nas filas. Mas ok, foi bom. Quase não volto pra casa pois o metrô fechou depois dos shows e só consegui chegar no hotel com um taxista doido mas cá estou eu vivérrima pra contar história. Cada empreitada!

Voltando ao que interessa: imaginava o tempo todo que tudo na cidade era muito cinza, concreto e aspereza e temi que isso me desse angústia. Pff, foi só dar uma caminhadinha na Augusta e a única coisa que eu pensava era em nunca mais sair dali. E não saio mesmo, das três vezes que visitei a cidade a maior parte do tempo "gastei" lá e na Paulista, nem ligo. De dia ou à noite, adoro peruar por lá :D Logo no segundo ou terceiro dia eu já estava andando de metrô sozinha (ô, gente! Pra quem nunca andou!) e me sentia livre. Da primeira vez que fui fiquei no Fórmula1, hoje Ibis. Aquele tipo de hotel impessoal, sem muita emoção.

A segunda vez que visitei a cidade foi bem doida. Doida mesmo! Era final de 2012 e viajei com um amigo e duas colegas e sabe aquele tipo de viagem que você tem história até hoje pra contar? Foram nove dias de fuá, gritaria and mouth of confusion. Até hoje dou risada lembrando das idiotices. De ficar bêbado e enricar (pagar R$ 15 num pastel? Varêi), de ir pra lançamento de livro (te adoro, Xico Sá!) conversar com o autor e pagar a maior quantidade de micos por segundo...


Teve também visita à finada MTV, risada até a barriga doer (mesmo, de faltar o ar!), chorar de saudade, ir para festa e nem saber como chegou em casa, de dar show no hostel, de brigar com os companheiros de viagem e depois ficar "acoloiada" novamente. Rapaz, eu tenho um caderninho só com as histórias dessa viagem aí e foi punk. Muito bom! Lá ficamos no LimeTime Hostel e super-super-super indico. O lugar é limpo, central, tem um cachorrinho fofo e é bem sem frescuras como um hostel precisa ser. :)


Para tentar encurtar a conversa eu devo dizer que essa foi a viagem que eu mais comi na vida. Na vida inteira! Hum rum, a ponto de eu ter viajado com uma calça jeans e nove dias depois de tanta trêshêra, precisar comprar uma legging pra poder voltar pra casa pois a outra calça não passava do joelho. Sério! Fizemos um verdadeiro tour gastronômico. Na época eu ainda estava comendo carne e meu amigo, o que a minha barriga viu de hambúrguer não tá na história!


Indico do fundo do meu coraçãozinho o Zé do Hambúrguer. Eles vendem um milkshake de milho que tem gosto de paraíso misturado com paz. Sério, até hoje sonho com o gosto dessa delicinha! Sem contar que o ambiente é super fofo, todo com uma pegada retrô. Era tanta coisa na decoração da lanchonete que eu cheguei derrubando um monte de coisa e passando vergonha, foi bem caos. Mas até hoje lembro dessa noite, sem dúvidas uma das mais divertidas da minha vida!


Visitamos aquário, o Parque Ibirapuera, Mercadão, 25 de Março, batemos a Paulista inteira, fomos para peça de Teatro (assisti Cabaré, com Cláudia Raia. Lindo!), fomos para shoppings, museus, a mulinga toda e ainda assim voltamos com a sensação de que não conhecemos quase nadinha!


Na terceira vez que visitei São Paulo fui com meu avô, em 2013. Ele queria viajar de avião (ooown!) e aí fomos passar quatro dias lá. Eu estava 15kg mais magra (literalmente!) e dessa vez não ia avacalhar nas comid... mentira, AVACALHEI SIM pois se tem uma coisa que São Paulo tem é opção de restaurantes deliciosos e se tem uma coisa que eu amo é comer. Mas dessa vez não precisei comprar uma calça que me coubesse pois pedalei um bocado com vovô no Ibirapuera e ainda corremos de shorts no frio tenso que cortava a Avenida Paulista.


Tá, mas por qual razão eu estou falando tudo isso hoje e tão-tão saudosista? É que em setembro eu viajarei novamente para São Paulo com um amigo meu e por uma razão muito, muuuuuuito especial! O ano de 2016 foi um bate e alisa sem fim e quem convive comigo sabe. Mas agora, enfim, tudo está no lugar certinho e eu consegui parar, respirar um pouco e agradecer por mais uma conquista. É pequenininha mas para mim ela significa um universo inteiro!

Eu e me colega tivemos um artigo aprovado no Intercom (evento voltado à estudos de Comunicação) e vamos apresentar a nossa pesquisa na USP, junto com os demais participantes que tiveram trabalhos aceitos. :) Quando surgiu essa possibilidade de participar do evento eu estava em um momento bem fiofó da vida e honestamente não sei de onde tirei forças pra ler, escrever e pensar em Jornalismo, até me dar conta que é isso o que me deixa viva. Amo escrever e esse ano tentei fazer funcionar a parte de mim que estava morta por uma sequência de traumas. Enfim, conseguimos isso juntos e agora mais do que viajar para apresentar um trabalho, a sensação que eu tenho é que meu ano recomeçou, de verdade.

Thank you!

Veja também

2 comentários

  1. Saudades ;)

    Obrigado por listar o limetime ;)

    Poderia alterar o link para http://limetimehostels.com/saopaulo/?lang=pt-br

    Assim cai na página correta já que temos um no Rio também. E volte sempre.

    ResponderExcluir